Loading...

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

PROJETOS DE QUEM ACREDITA QUE UM OUTRO MUNDO É POSSIVEL!!!











Projeto

Em mutirão e com mineirice construindo o 12º Intereclesial das CEBs
Rumo a Porto Velho, RO

Objetivo: Ajudar financeiramente na construção do 12º Intereclesial das CEBs das CEBs que acontecerá em julho de 2009, em Porto Velho, RO, fazendo memória da generosidade, acolhida, alegria e partilha do povo mineiro, que acolheu, gestou e celebrou o 11º Intereclesial no ano de 2005, por meio de oficinas e venda de pão de queijo, tão fartamente partilhado na celebração de abertura do Inter Mineiro.
Conhecendo muito bem nossas limitações, nossa pobreza e nossas dificuldades, mas, acreditando na força do mutirão, nos dispomos a este trabalho na certeza de encontrar muitas comunidades, pessoas, organizações, instituições e grupos disponíveis e solidários na construção do “Outro Mundo Possível”.

Regras: Todas as pessoas que trabalharem no projeto serão totalmente voluntárias.

A comunidade, grupo, pessoa, organização ou instituição trabalhará em parceria com a Comunidade Ecumênica Dom Oscar Romero, mantenedora do projeto.

Para que o evento possa acontecer o grupo ou pessoa que recebe o evento agenda a data, hora e local com a Comunidade D. Oscar.

É de responsabilidade do grupo ou pessoa que receber:
_ Oferecer o espaço físico, forno, gás, utensílios (na falta os membros da Comunidade D. Oscar podem levar, desde que combinado antecipadamente. Os utensílios são: assadeira, faca, bacias, assadeiras, panelas), água, luz, panos de pratos.
_ A venda dos convites antecipadamente. Tanto a confecção, venda, controle e acerto de contas é dever de quem recebe. Neste convite deve conter: valor (será sempre R$ 1,00 (Um Real) referente a um saquinho com 6 pães de queijo enriquecidos), local, horário de entrega (em torno de 2h para entregar), aviso para trazer sacola caso necessário, pois a embalagem oferecida nada mais é que um saquinho de papel.
_ Oferecer o local limpo.

É de responsabilidade da Comunidade Ecumênica Dom Oscar Romero:
_Conseguir e Levar até o local do evento todos os ingredientes necessários.
_ Transportar a equipe da comunidade.
_ Fazer o deposito da parcela do dinheiro que irá para o Secretariado das CEBs para o 12º Intereclesial

Quanto ao dinheiro arrecadado:
_ O valor total da venda será dividido em 2 (duas) partes iguais, sendo que, uma parcela será destinada ao Secretariado das CEBs para o 12º Intereclesial por meio da conta corrente bancária: Agencia Bradesco Ag. 1294-7 - C/C 35186-5. E a segunda parte é para o grupo, pessoa, organização, instituição ou comunidade que recebe o evento.
_ Caso o grupo que recebe abrir mão de sua parcela ela será destinada a Comunidade Ecumênica Dom Oscar Romero para ajudar na divulgação e promoção de mais eventos como este.
_ Se possível o deposito do dinheiro será feito no mesmo dia e na mesma localidade que o Evento acontece, na presença de um membro de um membro da Comunidade Dom Oscar e um membro do grupo que recebeu o evento. Caso não seja possível será feito na agencia Bradesco de maior facilidade e nas condições que forem possíveis.

Acreditando que são as pequenas coisas que marcam nossas vidas, que em mutirão se constrói nossos sonhos, lançamos este projeto.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

O Até breve à Dom Padin

O Até breve à Dom Padin
Após missa com arcebispo da capital, bispo emérito de Bauru é sepultado
Dom Padim teve sua Páscoa na sexta-feira no mosteiro onde vivia, aos 92 anos, enquanto orava.Hoje, manhã fria e de uma garoa fina, típicas da capital paulista, as naves do Mosteiro de São Bento ficaram completamente tomadas para a celebração de exéquias de dom Cândido Padin. 11Hoo, neste momento todos os sinos da igreja tocaram até às 11h05, quando entrou em procissão na igreja todo o clero liderado pelo arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer. Estavam presentes ao funeral padres, presbíteros, monges beneditinos, bispos e arcebispos.
Durante a missa tomaram a palavra:
dom Mathias Tolentino, ábade do Mosteiro de São Bento, que contou a história do religioso desde a sua juventude até os seus últimos dias no Mosteiro de São Bento
Dom Aloysio Leal Penna , arcebispo de Botucatu, que destacou a luta de Dom Cândido Padin frente à ditadura militar.
Dom Scherer, discorreu sobre o trabalho pastoral de Dom Padin nas áreas educação e comunicação, além de sua atuação pioneira com os leigos diante daquilo que viriam ser chamadas as CEBs (Comunidades Eclesiais de Base).

As CEBs estão enlutadas!
Uma grande voz se calou, teve sua Pascoa, porem seu testemunho de vida permanece conosco!!!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Dia 26.01.2008

EderAono , CEBs Sorocaba, David Trombelli CEBs- SP
Sempre presentes, trabalhando, agindo!!!







CEBs SP na Ação Global









Dia de Ação Global





Em 2008, o Fórum Social Mundial será diferente das edições anteriores. Ao invés de eventos centralizados, ele será composto por milhares de atividades organizadas por movimentos sociais, redes e entidades em seus locais de atuação. Cada grupo seguirá sua agenda própria que estará relacionada com a construção de “um outro mundo possível”.










O Fórum Social 2008 realizará uma semana de mobilização internacional, com debates, eventos culturais e protestos que irão culminar no Dia de Ação Global, em 26 de janeiro.





Músicos, cineastas, midiativistas e artistas irão produzir e participar de vídeos de um minuto relacionados com a Carta de Princípios do Fórum.










A mobilização para o Fórum Social 2009 também já começou. O evento será realizado em Belém, no Pará, com o objetivo de voltar as atenções para a floresta Amazônica e as mudanças climáticas, a biodiversidade, o colonialismo, a diversidade cultural e étnica.

Carta de Convocação para o 1º Paulistão CEBs


CEBs ESTADUAL – CNBB SUL 1



Carta de Convocação para o Paulistão

Aos irmãos e irmãs empenhados/as em fazer amanhecer o dia na Terra Sem Males:


No calor da Trindade, a Melhor Comunidade, nos dirigimos a cada um e cada uma com um fraternal abraço repleto de axé, amor e certeza de que aí onde você está, animado/a pelo Senhor que caminha conosco, está ajudando a fazer o sol da justiça iluminar a terra sem males que tanto sonhamos.
Somos convocados pelos tambores dos povos negros, pelas flautas de todos os povos indígenas deste continente da esperança; Somos chamados pelo berrante e pelo sangue dos/as mártires que clama por justiça, pelo cantar dos rios e pelo pitar do Trem das CEBs que já ruma a Porto Velho a construir e participar de nosso Paulistão, nos dias 19 e 20 de julho de 2008, na Centenária Igreja de Campinas, que celebra sua história, lutas, quedas e conquistas, ao longo desses cem anos sob a maternal benção de Nossa Senhora da Conceição, Mãe e Padroeira deste povo que nos acolherá.
Desde já contamos com sua presença, orações e colaboração, é o Senhor Ressuscitado que nos congrega para essa construção. Todos e todas estão convidados (a) a ajudar neste grande mutirão a dez, cem, mil ou milhões de mãos. Somos convidados (as) a tecer, costurar, cozer, plantar e colher este grande encontro.
Esperamos encontrar muitas pessoas com a disposição do padeiro, que bem antes do sol nascer acorda para dar o pão de cada dia, para ajudar a colocar as mãos na massa. Esperamos encontrar milhares de corações vigilantes, em oração e ação qual vigia que ansioso espera o amanhecer. Esperamos encontrar gente para colocar a mão no arado e tombar a terra dura que precisa produzir.
Qual colméia de abelhas generosas produzamos todos (as) juntos (as) o mel saboroso para continuar a alimentar nossa utopia. Celebremos a luta de cada dia. Assumamos o compromisso com a Mãe Terra que conta conosco se quisermos garantir a nossa e as futuras gerações. Para estudar, celebrar nossos biomas, nossa cultura, nossa fé, somos todos (as) chamados (as). Venham todos e todas o mutirão já começou.
Com o coração aquecido pelo Espírito Criador e Criativo, vamos fazer memória da Tenda dos Mártires, do Seminário Latino Americano de Teologia e da Romaria das Comunidades Eclesiais de Base de todo este nosso Estado e assumir compromissos a partir da Conferência de Aparecida que nos entrega chaves para continuar firmes na caminhada, nos abre brechas para continuar a sermos Seguidores/as do Caminho.
Ribeirinhos e quilombolas, operários e trabalhadoras, homens e mulheres de boa vontade, jovens e crianças, patriarcas e matriarcas de nossas comunidades, dos campos e das cidades, dos Cerrados e da Mata Atlântica, dos Mangues e das Caatingas, a massa precisa ser fermentada e sovada, as tendas precisam ser montadas, o tear espera mãos habilidosas, o barro espera o/a oleiro/a, precisamos abrir nosso poço e beber de nossa água límpida. O campo está pronto para ser semeado, as espigas de milho já nos esperam para ser colhidas, a mandioca já rachou a terra.
O Estado de São Paulo caminha de todos os cantos e recantos até Campinas, se irmane nesse caminhar, o Mártir Ressuscitado Jesus já nos espera para Grande Ceia, Ele nos chama, nos congrega, nos convoca e nos irmana. Cada um com seu dom, cada um com sua história, cada qual com sua cultura, venham com os cestos de pequi, com as gamelas de farinha, com os favos de mel, com o doce da cana, com o bule de café, com a tecnologia e os reciclados. A Missão já começou.
Na certeza da partilha, generosidade, fraternidade e do desejo de ver o “Outro Mundo Possível” nos despedimos desejosos do encontro, em Campinas e nos mais diversos pontos deste nosso Estado Mundo chamado São Paulo.


Equipe Colegiada das CEBs do Estado de São Paulo

Ribeirão Preto, 28 de Outubro de 2007.

Vale aposta em “deserto verde” no curto e longo prazo



-A Vale – antiga Companhia Vale do Rio Doce - anunciou que irá plantar 346 milhões de árvores nos países onde atua. Serão 300 mil hectares, área equivalente a duas a cidade de São Paulo, sendo 50% de eucalipto e 50% de florestas naturais. Só no Brasil, serão 345 milhões de árvores. O Pará sofrerá o maior impacto, recebendo mais de 99% delas. Estima-se que até 2015 todas as árvores já estejam plantadas.

De acordo com o economista e integrante da Rede Alerta contra o Deserto Verde, Hélder Gomes, a intenção da Vale no curto prazo é lucrar com um mercado novo, mas de alta rentabilidade - os créditos de carbono. Na prática, a Vale venderá para outras empresas poluidoras a capacidade de suas árvores de anular o gás carbônico emitido nos processos industriais. Porém, Gomes aponta que a Vale vê no futuro outras possibilidades de lucro com eucalipto.

“A Vale sempre teve uma perspectiva de diversificar sua produção. O eucalipto tem destinação diversa. Além da celulose para papel, o eucalipto tem servido para carvão para siderúrgica. E agora existe uma pesquisa mais avançada para converter, por meio de uma hidrólise, a celulose em etanol combustível. Então, não dá pra saber ao certo, porque a estratégia da empresa não é aberta, mas existem essas possibilidades”.
SP- Vinicius Mansur
Radioagência Noticias

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Carta da 3ª ampliada nacional às CEBs do Brasil






Carta da 3ª ampliada nacional às CEBs do Brasil

“De tuas altas moradas irrigas os montes, com os frutos das tuas obras sacias a terra. Fazes colocar o feno para o gado e a erva útil ao ser humano, para que tire da terra o seu pão.” (Salmo 104)

A Arquidiocese de Porto Velho – RO tornou-se, mais uma vez, o berço de acolhida da 3ª Ampliada das CEBs, em preparação para o 12º Intereclesial, nos dias 18 a 20 de janeiro. Viemos dos 17 regionais de todo o Brasil, trazendo em nossa bagagem as dores, as preocupações, os sonhos e as esperanças dos pobres deste país que constroem, através da resistência e da teimosia, a sociedade ecologicamente sustentável.
Muito nos alegrou a calorosa acolhida no CAP (Centro Arquidiocesano de Pastoral), no qual saboreamos as delícias dos frutos desta terra e a farta alimentação preparada com muito carinho. Foram ricos dias de fraterna convivência e criativas celebrações vividas com o Secretariado do 12º Intereclesial, os assessores, as equipes de serviços, leigos e leigas, religiosas, padres, diácono e os bispos presentes na reunião (D. Moacyr Grechi – Arcebispo de Porto Velho – RO; D. Mosé Pontelo – Bispo de Cruzeiro do Sul – AC; D. José Vieira de Lima – Bispo de Cárceres – MT; D. Adriano Ciocca Vasino – Bispo referencial das CEBs pelo Setor Leigos da CNBB; D. Antonio Possamai – Bispo emérito e vice presidente da Comissão para Amazônia).
À luz do tema do 12º Intereclesial, CEBs, Ecologia e Missão e o lema Do ventre da terra, o grito que vem da Amazônia, o professor Ramon Cujuí apresentou-nos a realidade amazônica. Refletimos sobre os projetos de ocupação da Amazônia, desde o ciclo da borracha até a implantação dos grandes projetos, como o agronegócio, a criação de gado, a plantação de soja e cana-de-açúcar até a construção das duas grandes usinas hidrelétricas no Rio Madeira, as usinas de Jirau e Santo Antônio. A Amazônia sempre foi vista como área de fronteira, apresentada ideologicamente como “uma terra sem homens para homens sem terra.” Constatamos que quem sofre os impactos negativos destes modelos econômicos são os indígenas, os ribeirinhos, os seringueiros que se encontram entre os mais pobres dentre os filhos desta terra. Fomos também desafiados e interpelados pelas populações amazônidas que convivem de forma harmoniosa e sustentável com a mais rica biodiversidade do planeta.
Com D. Moacyr Grechi, cheio de vida e de bom humor, tivemos o privilégio de celebrar seus 72 anos de vida, e dele recebemos o testemunho de sua participação na V Conferência do CELAM, em Aparecida. Em sua exposição sobre as CEBs no documento de Aparecida, D. Moacyr afirmou que “finalmente a Igreja da América Latina recuperou o seu rosto”. “As Comunidades Eclesiais de Base demonstram seu compromisso evangelizador e missionário entre os mais simples e afastados, e são expressão visível da opção preferencial pelos pobres. São fonte e semente de variados serviços e ministérios a favor da vida na sociedade e na Igreja.” (DA 179)
Com Aparecida reafirmamos que a paixão pela pessoa de Jesus Cristo, caminho, verdade e vida, nos mobiliza na luta a favor da vida humana, da natureza, do Planeta e do Universo. A mística evangélica nos convida a contemplar toda a Criação como obra divina.
É oportuno para as CEBs que se preparam para o 12º Intereclesial na região amazônica, perceber a sensibilidade dos nossos bispos ao afirmarem a necessidade de se “criar nas Américas consciência sobre a importância da Amazônia para toda a humanidade. Estabelecer entre as Igrejas locais de diversos países sul-americanos, que estão na bacia amazônica, uma pastoral de conjunto com prioridades, para criar um modelo de desenvolvimento que privilegie os pobres e sirva o bem comum.” (DA 415)
Em nossos trabalhos aprimoramos a preparação do 12º Intereclesial, quanto à sua organização, metodologia e conteúdos e ficamos ainda mais entusiasmados/as com a expectativa de sua realização. Também tratamos da nossa participação no 8º encontro latino-americano de CEBs, a ser realizado em Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, em julho deste ano, bem como no 2º encontro do Cone Sul das CEBs, em fevereiro próximo, em Buenos Aires, Argentina.
Com as comunidades de Porto Velho e as famílias acolhedoras das delegações de nossos regionais, estabelecemos os primeiros contatos de profunda convivência que nos permitiu desfrutar, de forma antecipada, o calor humano de nossa hospedagem.
Nesse tempo em que todos e todas somos convocados a nos fazermos discípulos e discípulas, missionários e missionárias de Jesus Cristo, para que n’Ele nossos povos tenham vida, reafirmamos nossa convicção de que as CEBs continuam sendo o lugar indispensável e privilegiado para a vivência desse projeto.
Com a Igreja de Porto Velho, acreditamos que “Jesus ouviu o clamor do seu povo e armou sua tenda na Amazônia.”

Porto Velho - RO, 20 de janeiro de 2008.

CESEP - COMPROMISSOS DO XXI CURSO DE VERÂO


COMPROMISSOS DO CURSO DE VERÃO 2008

JUVENTUDE: CAMINHOS PARA OUTRO MUNDO POSSÍVEL

Damos graças a Deus e a todas as pessoas, famílias, comunidades e instituições que se somaram ao CESEP (Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular) para preparar e realizar este grande mutirão de formação popular e ecumênica, o XXI CURSO DE VERAO. Das 685 pessoas procedentes de todas as regiões do Brasil e de 23 outros países da América Latina e do Caribe, da Africa, Europa e Ásia, 562 eram participantes e 123 monitores e integrantes das diversas equipes de serviço, pertencentes a diferentes Igrejas Cristãs, religiões e filosofias de vida.
O tema desenvolvido JUVENTUDE: CAMINHOS PARA OUTRO MUNDO POSSÍVEL atraiu, de modo especial, pessoas jovens que ultrapassaram 60% dos participantes. Foi realizada durante o Curso, Conferência Livre da Juventude, tendo em vista as Conferências Municipais, Estaduais e Nacional da Juventude.
Tomou-se consciência da situação dos jovens no campo da família, educação, trabalho, cultura, lazer e dos movimentos e pastorais da juventude. Em que pesem avanços no acesso à educação formal, continua sendo um desafio oferecer escola pública de qualidade para todos e formação profissional já no ensino médio. Outros desafios são criar oportunidades de trabalho, viabilizando o primeiro emprego; implementar políticas públicas de cultura, esporte e lazer, superando desigualdades e discriminações de classe, etnia, cor e raça.
Debruçamo-nos também sobre o tema da CF-2008, mapeando as principais ameaças à vida dos jovens e as iniciativas para superá-las, enquanto pessoas e grupo social.
Depois de dias intensos de partilha e estudo do tema, de reflexão e escuta da Palavra de Deus, do ponto de vista de seu apelo e de nossa vocação, para sermos responsáveis uns pelos outros e por toda a criação, assumimos os seguintes compromissos:
1. Promover em nossas comunidades e escolas, Conferências Livres da Juventude, incentivando os jovens de nossas cidades e do campo a participarem das Conferências Municipais, Estaduais, preparando e Nacional da Juventude;
2. Multiplicar o saber adquirido neste curso a respeito das políticas públicas para ajuventude;
3. Incentivar a participação dos jovens na luta pela criação de políticas públicas para a juventude, exigindo a criação dos Conselhos Municipais da Juventude responsáveis por elaborar projetos, garantir sua inclusão no orçamento municipal e fiscalizar sua execução;
4. Reivindicar do Poder Público, no campo da educação, programas de capacitação profissional; a inclusão, nos cursos de licenciatura, da disciplina de Didática específica para o trabalho com jovens e a discussão de um projeto de Universidade Pública democrática e inclusiva;
5, Trabalhar a conscientização da juventude e dos adultos na comunidade, com encontros de formação e reflexão; criar grupos de jovens e a pastoral da juventude nos setores populares, numa perspectiva aberta ao diálogo inter-religioso e ecumênico e comprometida com a transformação da sociedade;
6. Prosseguir na luta contra o racismo e demais preconceitos, esforçando-nos por construir uma nova sociedade permeada pela justiça e o amor; -
7. Comprometer a juventude na luta contra a redução da maioridade penal;
8. Tornar presente a Palavra de Deus em nossas vidas e comunidades, para responder aos constantes apelos vindos de nossa realidade, colocando-nos à sua escuta, aprendendo a dialogar para melhor agir e transformar o mundo;
9. Ser comunidade, acolher o outro e redescobrir nossa vocação humana e cristã;
10. Tornar-nos, como juventude, “profecia, ambulante”, para comunicar a esperança, denunciar as injustiças e buscar caminhos para outro mundo possível: “A reconstrução da imagem de Deus pode ajudar na reconstrução da convivência humana”.
São Paulo, 16 de janeiro de 2008.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

20.01 - Dom Cappio celebrando em São Paulo

18ª Celebração ao povo nordestino da cidade de São Paulo
















Com cartazes. faixas e muito amor se manisfestam












o Povo de Deus reunido
para ouvir Dom Cappio
em São Paulo













Lula cospe no prato em que comeu, diz dom Cappio

Publicado em 20.01.2008, às 19h20
O bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, voltou a cobrar do governo federal um diálogo sobre a transposição do Rio São Francisco e retomou as críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em visita a São Paulo para celebrar uma missa em homenagem a migrantes baianos, o bispo disse que Lula foi eleito pelos movimentos sociais e, uma vez no poder, deixou para trás suas origens.
"Na hora em que os movimentos sociais conseguiram colocá-lo lá onde ele está, na hora que ele alcançou o poder, ele dá as costas aos movimentos sociais, esquece os movimentos sociais. Eu diria que ele cospe no prato em que comeu", afirmou Cappio, em entrevista concedida após a celebração. "Quando precisou dos movimentos sociais para se eleger, se elegeu. Uma vez lá só governa o Brasil para as elites", emendou.
Cappio afirmou que até agora não obteve nenhum sinal do governo favorável ao diálogo, apesar da greve de fome realizada no final do ano passado. "Infelizmente, por parte do governo não existe nenhum desejo de dialogar. O projeto é uma imposição do governo federal, decidido entre quatro paredes de um gabinete.
A missa, celebrada há 18 anos pelo próprio Cappio, se estendeu por cerca de duas horas e meia. A celebração também se tornou palco para a luta do bispo contra a transposição do Rio São Francisco, que falou sobre as dificuldades enfrentadas durante a greve de fome e agradeceu aos fiéis pela solidariedade.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

DIA DE COMBATE A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA


DIA 21 de JANEIRO
DIA NACIONAL DE COMBATE A INTOLERÃNCIA RELIGIOSA

Na próxima 2ª feira, 21 de janeiro, pela primeira vez, o povo brasileiro viverá o “Dia nacional de combate à intolerância religiosa”, decretado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República no dia 27 de dezembro de 2007, através da lei n. 11.635. O decreto é muito conciso: “Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o - Fica instituído o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a ser comemorado anualmente em todo o território nacional no dia 21 de janeiro. Art. 2o - A data fica incluída no Calendário Cívico da União para efeitos de comemoração oficial. Art. 3o - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação”. Traz as assinaturas do presidente da República e do ministro da Cultura. Vale a pena aprofundar os motivos pelos quais esta medida é oportuna e quais podem ser seus objetivos mais concretos. Marcelo Barros