Loading...

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Via Sacra 2017 - conforme Campanha da Fraternidade

2017
CELEBRAÇÃO DA VIA-SACRA

PREPARAÇÃO                                                                                                                                                                                  A Cruz do Senhor, com uma faixa de tecido branco nos braços simbolizando a Ressurreição de Jesus, é levada à frente pelos participantes,acompanhada com velas acesas. O Dirigente acolhe a todos e os convida a participar com fé e devoção da meditação dos Mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor.
INÍCIO
Dirigente: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
Todos: Amém!
Dirigente: Irmãos e irmãs, que a paz de Jesus Cristo esteja conosco!
Todos: Bendito seja o Senhor que nos reuniu na sua paz!
Leitor(a)  1: Caros irmãos e irmãs, estamos vivendo esse tempo forte da Quaresma que é tempo de mudança de vida. Nessa Via-Sacra queremos seguir os passos de Jesus e pedir a ele a graça de encontrarmos na sua paixão e cruz a vida nova da Ressurreição. Queremos viver esse exercício de piedade em comunhão com a Igreja no Brasil, que por meio da Campanha da Fraternidade, quer cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.                                                                                                                                                                             Todos: Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais de sua beleza e riqueza. Leítor(a)  2: O cuidado da natureza faz parte de um estilo de  vida que implica capacidade de viver juntos e em comunhão. Jesus lembrou-nos que temos Deus como nosso Pai comum e que isto nos torna irmãos. O amor fraterno só pode ser gratuito, nunca pode ser pago. ( ... ) Esta mesma gratuidade leva-nos a amar, desenvolvendo uma verdadeira cultura do cuidado do meio ambiente. *                                                                                             Todos: Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais de sua beleza e riqueza.
Canto: Hino da Campanha da Fraternidade 2017
*FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato Si' (LS). Documentos Pontifícios 22. Brasília: Edi-
ções CNBB, 2015, n. 228-229.
**************************
 1ª Estação
Jesus é preso e condenado a morte
Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1:"Então os outros avançaram, lançaram as mãos sobre Jesus e o prenderam. Nisso, um dos que estavam com Jesus estendeu a mão, puxou a espada e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha. Jesus, porém, lhe disse: 'Guarda a espada na bainha! Pois todos os que usam a espada, pela espada morrerão” (Mt 26,50b-52). Leitor(a) 2: Jesus enfrenta sua prisão, mostrando sua fidelidade à justiça do Reino por ele anunciado, esse Reino que evoca acima de tudo a vontade do Pai. Jesus preso é lembrança das populações originárias, que não têm reconhecidos seus direitos, sua pertença ao povo brasileiro, nem respeitada sua história e cultura, seus territórios e seu
modo específico de viver.
 (Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, vós que em Jesus vosso Filho preso, nos recordais a justiça do Reino, ajudai-nos a aderir sempre à vossa vontade e a nos comprometer com todas as populações originárias que não têm seus direitos reconhecidos. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: A morrer crucificado, / teu Jesus é condenado / por teus
crimes, pecador / por teus crimes, pecador.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

2ª Estação                                                                                                                                Jesus carrega a cruz
Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos. Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor( a) 1: Pilatos lavou as mãos diante da multidão que gritava "seja crucificado!”; dizendo: "Estou inocente desse sangue, a responsabilidade é vossa” . A isso todo o povo respondeu: "Que o seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”. Então, depois de mandar flagelar Jesus, Pilatos entregou-o para que fosse crucificado (Mt 27,23-26). Leítor(a) 2: Nesta estação queremos lembrar à sociedade que os governantes cada vez mais lavam as mãos em relação ao cuidado de nossa casa comum, não reconhecendo cada bioma, suas belezas, seus significado e importância para a vida no planeta.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Deus, vós que sois a fonte de toda liberdade e o Senhor do tempo e da história, libertai a natureza e toda a humanidade dos aprisionamentos que prejudicam a vida. Isto vos pedimos, em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Com a cruz é carregado / e do peso acabrunhado, / vai
morrer por teu amor / vai morrer por teu amor.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meuJesus.

3ª Estação                                                                                                                                Jesus cai pela primeira vez
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!                                                             Leitor( a) 1: Jesus com o rosto no chão orava: Pai, meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice de sofrimento! Porém, que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres (Mt 26,39). Leítor(a) 2: No Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação brasileira, seja por relações pacíficas e consensuais, seja pela                 força da violência, inclusive a sexual, contra as mulheres indígenas e negras. Hoje, mais de 500 anos depois da chegada dos colonizadores, seria interessante perguntar-nos: O que restou daquela floresta? O que restou daqueles povos? O que restou daquelas águas? O que restou daquela imensa biodiversidade que maravilhava os olhos?
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Deus de bondade, olhai para nossa sociedade brasileira que cai em seu próprio egoísmo, devastando os biomas e sendo indiferentes os pobres, e ajudai-nos a reerguer os abandonados e esquecidos dessa terra. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém!
Todos: Pai nosso...                                                                                                                Todos
: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus, que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Pela cruz tão oprimido, / cai Jesus desfalecido, / pela tua
salvação / pela tua salvação.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

4ª Estação                                                                                                                                      Jesus se encontra com a sua mãe
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: “Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe: ‘Este menino será causa de queda e de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição - uma espada traspassará a tua alma! - e assim serão revelados os pensamentos de muitos corações’” (Lc 2,34-35).
Leítor(a) 2: Maria de Nazaré, a mãe das dores, cultivou e gerou a relação de cuidado com seu filho Jesus. Ela hoje pode ser nossa inspiração no cuidado da natureza, na defesa dos pobres e na construção de uma trama de respeito e fraternidade.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Deus, que sois a fonte da fraternidade, por intercessão de Nossa Senhora das Dores, ajudai-nos a crescer na promoção do cuidado da vida. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.
 Todos: Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: De Maria lacrimosa, / no encontro lastimoso, / vê a viva
compaixão / vê a viva compaixão.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

5ª Estação                                                                                                                             Simão, o Cirineu, ajuda Jesus a carregar a cruz
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!Leitor(a) 1:"Então o levaram para crucificá-lo.Os soldados obrigaram alguém que lá passava voltando do campo, Simão de Cirene, pai de Alexandre e de  Rufo, a carregar a cruz" (Mc 15,20b-2I).
Leitor(a) 2: O Cireneu foi um apoio aJesus que sofria. Nós também podemos ser um apoio a nossa sociedade que busca reforçar o compromisso com a biodiversidade, os solos, as águas, nossas paisagens e o clima variado e rico que abrange o chamado território brasileiro, abandonando o lucro excessivo, buscando garantir o direito à água e aos recursos naturais para todas as pessoas.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, que sempre nos inspira a apoiar iniciativas que concorram para o bem comum, convertei as nossas ações, para promovermos o direito dos povos à água limpa e a todos os recursos naturais. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Em extremo, desmaiado, / deve auxílio, tão cansado /
receber do Cireneu / receber do Cireneu.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus
.

6ª Estação                                                                                                                            Verônica enxuga o rosto de Jesus
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1:Jesus não tinha aparência nem beleza para atrair o nosso olhar, nem simpatia para que pudéssemos apreciá-lo, Desprezado e rejeitado pelos homens, homem do sofrimento e experimentado na dor; como alguém de quem a gente esconde o rosto
(Is 53,2-4). Uma piedosa mulher enxugou o rosto de Jesus.
Leítor(a) 2: Verônica enxergou o rosto sofrido de Jesus e dele teve compaixão. Nós que somos discípulos de Jesus, hoje, somos chamados a olhar tantos rostos sofridos e cheios de lágrimas e oferecermos consolo. A mãe natureza também tem apresentado o seu rosto sofrido pelo descaso com ela e pelo desrespeito com as populações originárias.
É missão dos discípulos de Jesus sanar de igual modo esses sofrimentos.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Deus, que enviaste vosso Filho ao mundo para romper todas as barreiras que separam os homens e as mulheres, ajudai-nos a consolar cada rosto sofrido que de nós se aproxima, e desenvolver um estilo de vida alternativo que mude a sociedade. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!                                                                                                                        Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: O seu rosto ensanguentado, / por Verônica enxugado, /
contemplemos com amor / contemplemos com amor.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

7ª Estação                                                                                                                                  Jesus cai pela segunda vez
1.             
Dirigente: Nós vos adoramos,  ó Cristo,  e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1:Quando Pilatos perguntou a Jesus se ele era rei, Jesus lhe respondeu: Tu
o dizes: Eu sou rei. Foi para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Quem é da verdade escuta a minha voz (Jo18,37).
 Leitor(a) 2: A Igreja Católica há algum tempo vem sendo uma voz profética a respeito da questão ecológica.  Além de chamar a atenção para os desafios e problemas ecológicos, tem apontado suas causas e, principalmente), tem indicado caminhos para sua superação. Essa sua aproximação do nosso povo é para defender seus direitos e para promover a convivência harmônica com o meio ambiente em todo o Brasil.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, Jesus assumindo nossa realidade humana, assumiu também nossas quedas. Concedei-nos que sejamos cada vez mais profetas que praticam a justiça e anunciam a verdade. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.                          Todos: Amém!                                                                                                                          Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Outra vez desfalecido,  / pelas dores abatido / cai por terra o Salvador / cai por terra o Salvador.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoar-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

8ª Estação                                                                                                                              Jesus consola as mulheres
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!

Leitor(a) 1: Seguiam a Jesus mulheres que batiam no peito e choravam por ele.
Jesus,  porém,  voltou-se para elas e disse-lhes: - Mulheres de Jerusalém,  não choreis
por mim! Chorai por vós mesmas e por  vossos filhos ... Porque se fazem assim quando a árvore está verde,  o que acontecerá quando estiver seca? (Lc 23, 27-28). Leitor(a) 2: A educação possui um poder muito grande de transformar, de tirar de dentro dos educandos,  um novo potencial de vida. Assim como Jesus chamou várias mulheres ao seu seguimento, hoje,  convida as mulheres, mães,  professoras,  catequistas, líderes sociais,  a se lançarem com maior ardor na educação ecológica das novas gerações. Essa cortesia ajuda a construir a cultura da vida compartilhada e do respeito pelo que nos rodeia. (Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Deus, que chamastes as mulheres para o vosso seguimento,  despertai cada vez mais nelas o senso da educação que gera o cuidado da vida. Que no interior da vossa Igreja seja mais valorizada sua atuação pastoral,  e que sempre encontrem o conforto de
seus dramas. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Das mulheres piedosas, / de Sião filhas chorosas, / é
Jesus consolador / é Jesus consolador.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus

9ª Estação                                                                                                                                 Jesus cai pela terceira vez

1.             
2.         
3.           
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: Se fazendo o bem sois pacientes no sofrimento, isso constitui uma ação louvável diante de Deus, pois para isto fostes chamados, já que Cristo também sofreu por vós, deixando-vos o exemplo, a fim de que sigais seus passos. Sobre o madeiro levou nossos pecados em seu próprio corpo, a fim de que, mortos para nossos pecados, vivêssemos para a justiça (1 Pd 2,20b;24a).
Leitor(a) 2: Para os países pobres, as prioridades devem ser a erradicação da miséria e o progresso social de suas populações, tudo  isso favorece o desenvolvimento sustentável dos povos. Infelizmente, esse caminho é obstruído pela corrupção dos governantes, uma utilização irresponsável das capacidades humanas. A terceira queda de Jesus nos convida a não nos deixar vencer pelo mal da corrupção que tanto afeta a política de nosso país.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, vós que sempre vos mostrastes fiel a nós que somos vosso povo, ajudai o nosso país a vencer toda a corrupção que impede o desenvolvimento de políticas sustentáveis. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus, que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Cai terceira vez prostrado, / pelo peso redobrado, / dos pecados e da cruz / dos pecados e da cruz.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.


10ª Estação                                                                                                                            Jesus é despido de suas vestes
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, SenhorJesus!
 Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: "Depois que crucificaram Jesus, os soldados pegaram suas vestes e as dividiram em quatro partes, uma para cada soldado" Jo 19,23-24). Cristo Jesus despojou-se da sua condição divina, e assumindo a forma de escravo, abaixou-se, fazendo-se obediente até a morte, a morte sobre uma cruz (FI2,7-8).
Leitor(a) 2: As vestes de Jesus foram repartidas, separadas. A  Campanha da Fraternidade ao refletir sobre os biomas brasileiros, quer denunciar todo o tipo de ruptura, de divisão na sociedade que se mostra insensível à defesa da vida. É preciso nos unir, somando forças para promover a responsabilidade para com os biomas. Somos chamados a refazer nossas relações sociais e ambientais seguindo a prática libertadora de Jesus de Nazaré.
 (Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, vós que chamais todos os povos a ser uma realidade só em vós, despertai nas nossas comunidades o desejo de trabalharmos cada vez mais na construção do vosso Reino de unidade de paz. Isto vos pedimos,  em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Todos: Pai nosso ...
Canto: Das suas vestes despojado, / por algozes maltratado, / eu
vos vejo meu Jesus / eu vos vejo meu Jesus.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

11ª Estação                                                                                                                            Jesus é pregado na Cruz
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1:Quando chegaram ao chamado "Lugar da caveira", deram fel para Jesus beber, e aí o crucificaram (Mt 27,33-36). "Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também será levantado o Filho do Homem, a fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna" (Jo 3,14.15).
 Leitor(a) 2: Segundo a compreensão cristã da realidade, o destino da criação inteira passa pelo Mistério de Cristo, que nela está presente desde a origem. Uma pessoa da Santíssima Trindade, o Filho, veio morar neste mundo e tomou parte no destino da criação. Em sua solidariedade, chegou até a morte, e morte de cruz.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, pelo mistério da cruz do Filho experimentamos um sinal estupendo de amor, acompanhai com solicitude os gemidos da criação, e assim nos impele para a prática do bem. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!                                                                                                                         Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Sais por mim na cruz pregado, / insultado, blasfemado, /
com cegueira e com furor / com cegueira e com furor.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa / vossa Mãe tão piedosa /
perdoai-me meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

12ª  Estação                                                                                                                            Jesus morre na cruz
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: Então Jesus deu um forte grito: "Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” Dizendo isso, expirou (Lc 23,46-48). Cristo amou a sua Igreja e se entregou por ela, a fim de purificá-Iacom o banho da água e santificá-Ia pela Palavra, para apresentar a si mesmo a Igreja, gloriosa, sem mancha, nem ruga, santa e irrepreensível (Ef 5,6). Leitor(a) 2: A Campanha da Fraternidade quer ajudar a construir uma cultura de  fraternidade, apontando os princípios de justiça, denunciando ameaças e violações da dignidade e dos direitos, abrindo caminhos de solidariedade. A vida fraterna é a síntese do Evangelho quanto às relações humanas e testemunha a nossa dignidade como
verdadeiros filhos e filhas de Deus.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, que acolhestes "o espírito de vosso Filho" no alto da cruz, concedei que os povos trabalhem para criar um mundo novo no qual todos os limites sejam superados. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém!
Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Por meus crimes padecestes, / meu Jesus, por mim morrestes, / oh, quão grande a minha dor / oh, quão grande a minha dor.
(Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

13ª Estação Jesus é descido da cruz
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: "Depois disso, José de Arimateia pediu a Pilatos para retirar o corpo de Jesus, ele era discípulo de Jesus às escondidas, por medo dos judeus. Pilatos o permitiu. José veio e retirou o corpo" (Jo 19,38).
Leitor(a) 2: São João Paulo II ensinava que, "suportando o que há de penoso no trabalho em união com Cristo crucificado por nós, o homem colabora, de alguma forma, com o Filho de Deus na redenção da humanidade'? Segundo a compreensão cristã da realidade, o destino da criação inteira passa pelo Mistério de Cristo, que nela está presente desde a origem: "Tudo foi criado por ele e para ele" (Cl1,16).
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, que pela morte do vosso Filho, assumistes as mazelas da humanidade, curai nosso coração e toda a criação das chagas provindas da maldade que destrói a vida. Isso vos pedimos, em nome de Jesus, nosso Senhor.
Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus: que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Do madeiro vos tiraram / e à Mãe vos entregaram, / com
que dor e compaixão / com que dor e compaixão.
 (Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus.

14ª Estação                                                                                                                              Jesus é sepultado
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bemdizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: Nicodemos e José de Arimateia pegaram o corpo de Jesus e o enrolaram em lençóis nos quais haviam  espalhado perfumes. Era assim que os judeus preparavam os corpos para serem enterrados. E sepultaram Jesus num túmulo novo num jardim (Jo 19,39-41).
Leitor(a) 2: Jesus deixou-se depositar na terra como semente que é plantada para produzir frutos. A descida de Jesus à sepultura deve levar-nos a pedir perdão por todas as vezes que depositamos na terra criada por Deus, tão bela e diversificada no Brasil em seus biomas, não os dons, mas a agressão por meio da poluição, do lixo, do esgoto a céu aberto. Pedimos perdão a Deus pela falta de preservação dos biomas brasileiros. Esse mal ofende a Deus e a dignidade de toda a criação.
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai, vós que sois da fonte de toda reconciliação, pelo Mistério de vosso Filho morto e sepultado, pedimos perdão pelas vezes que prejudicamos a vossa criação com a nossa falta de zelo e espírito de preservação. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém!Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: No sepulcro vos puseram, / mas os homens tudo esperam / do mistério da paixão / do mistério da paixão.
 (Refrão) Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, /
perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus
. Meu Jesus, por vossos passos, / recebei em vossos braços, / a mim, pobre pecador.

15ª Estação                                                                                                                            Jesus ressuscitou
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a) 1: "E bem cedo no primeiro dia da semana, ao raiar do sol, [Maria Madalena e Maria, a mãe de Tiago, e Salomé]foram ao túmulo. [Ao entrarem no túmulo] o jovem lhes disse: 'Não vos assusteis! Procurais Jesus, o nazareno, aquele que foi crucificado? Ele ressuscitou! Não está aqui! Vede o lugar onde o puseram!'" (Me 16,2.6).
 Leitor(a) 2: "O Novo Testamento não nos fala só de Jesus terreno e da sua relação tão concreta e amorosa com o mundo;no-lo mostra também como ressuscitado e glorioso, presente em toda a criação com o seu domínio universal ( ... ). Assim, as criaturas deste mundo já não nos aparecem como uma realidade meramente natural, porque o             Ressuscitado as envolve misteriosamente e guia para um destino de plenitude. As próprias flores do campo e as aves que ele, admirado, contemplou com os seus olhos humanos, agora estão cheias da sua presença luminosa”?
(Breve momento de silêncio.)
Dirigente: Ó Pai e Senhor da vida, com a ressurreição de vosso Filho Jesus Cristo, foi renovada toda a criação. Ajudai-nos sempre a descobrir que estais vivo em cada criatura, para manifestar a glória do Ressuscitado. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Todos: Amém!

Todos: Pai nosso ...

Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém!
Canto: Vitória, tu reinarás, ó Cruz tu nos salvarás!
Brilhando sobre o mundo, que vive sem tua luz /                                                                        Tu és um sol fecundo, de amor e de paz, ó cruz!
─ ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017  

─  CANTO FINAL 


HINO OFICIAL DA CF 2017
Letra: Padre José Antônio de Oliveira
Música: Wanderson Luis Freitas da Silva
01 – Louvado seja, ó Senhor, pela mãe terra,
que nos acolhe, nos alegra e dá o pão (cf. LS, n.1)
Queremos ser os teus parceiros na tarefa
de “cultivar o bem guardar a criação.”
Refrão:Da Amazônia até os Pampas,
do Cerrado aos Manguezais,
chegue a ti o nosso canto
pela vida e pela paz (2x)
02 – Vendo a riqueza dos biomas que criaste,
feliz disseste: tudo é belo, tudo é bom!
E pra cuidar a tua obra nos chamaste
a preservar e cultivar tão grande dom (cf. Gn 1-2).
03 – Por toda a costa do país espalhas vida;
São muitos rostos – da Caatinga ao Pantanal:
Negros e índios, camponeses: gente linda,
lutando juntos por um mundo mais igual.
04 – Senhor, agora nos conduzes ao deserto
e, então nos falas, com carinho, ao coração (cf. Os 2.16),
pra nos mostrar que somos povos tão diversos,
mas um só Deus nos faz pulsar o coração.
05 – Se contemplamos essa “mãe” com reverência,
não com olhares de ganância ou ambição,
o consumismo, o desperdício, a indiferença
se tornam luta, compromisso e proteção (cf LS, n.207).
06 – Que entre nós cresça uma nova ecologia (cf LS, cap.IV),
onde a pessoa, a natureza, a vida, enfim,
possam cantar na mais perfeita sinfonia
ao Criador que faz da terra o seu jardim


ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017.                                       Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos,
por vossa infinita bondade. Criastes o universo com sabedoria
e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum.
Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais
da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimentando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém!

terça-feira, 19 de abril de 2016

Esse impeachment é mentira das elites e cinismo de certos setores da sociedad


A declaração da 54ª Assembleia Geral da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) “sobre o momento nacional”, publicada no último dia 14, começa citando um trecho do diálogo entre Jesus e um mestre de Israel, Nicodemos: “Quem pratica a verdade aproxima-se da luz” (Jo 3,21).
Nicodemos nutria simpatias pela pessoa e mensagem de Jesus, mas às escondidas. Ele vai encontrar Jesus à noite (Jo 3,2), no anonimato das sombras, mas Jesus o desafia a pôr à descoberto os interesses que ele, Nicodemos, defendia.
O termo verdade é associado à luz e, por consequência, à lucidez, à capacidade de pensar a realidade com clareza. Ademais, a verdade exige que os interesses sejam manifestos.
O evangelho emprega, na declinação adequada, o termo grego alétheia (ἀλήθεια). “A” indica negação, “léthe” significa esquecimento.
Portanto, o evangelho assume que a verdade é o não-esquecido, a auto-manifestação da realidade ao conhecimento das pessoas. O contrário seria a aparência, a obscuridade, o esquecimento ou o encobrimento da realidade das coisas.
Pois bem, estamos mergulhados numa crise econômica retroalimentada pela crise política, e vice-versa, numa proporção sem precedentes em nossa história. Por isso, o conselho do evangelho deve nos mover: buscar a luz, não esquecer a realidade, não ficar só com a narrativa da velha mídia.
A sombra da neutralidade também não é uma alternativa aceitável do ponto de vista ético. Em face de questões tão decisivas para a vida do povo, quem não se posicionar, quem não praticar a verdade, será vomitado pela história como um verme (cf. Ap 3,16).
Não podemos esquecer de alguns pontos, sem os quais não podemos pensar com lucidez e compreender a crise em curso. A verdade é o não-esquecido. Pois, então, lembremos:
Em primeiro lugar, não esquecer que há uma crise econômica em escala mundial. Tal crise resulta da natureza corrupta do sistema econômico capitalista. “Esta economia mata”, afirmou o Papa Francisco na Evangelii gaudium (n. 53), em 2014.
O marco jurídico do sistema econômico capitalista legitima a corrupção. Os Panama Papers mostram como ricos do mundo inteiro se valem da estrutura legal do capitalismo para esconder a sua riqueza em paraísos fiscais.
Uma solidariedade sombria os une na malandragem legalizada.
Conforme os papeis vazados recentemente, até mesmo um ex-presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil, o juiz Joaquim Barbosa, valeu-se de uma offshore para fazer negócios “mais vantajosos” no exterior. Tudo dentro da lei.
O dinheiro atravessa fronteiras como o único ente livre e invencível. Um poder impessoal operado por ricos. Implacável, quando o assunto é lucrar em cima dos trabalhadores e explorar a riqueza dos povos.
Em segundo lugar, a nossa sociedade carrega o peso da herança escravagista. Na sala de estar da casa grande, o conforto. No porão da senzala, o sofrimento dos escravos.
A escravidão foi uma instituição total durante quatro séculos da nossa história. A exploração e as desigualdades sociais foram naturalizadas no nosso imaginário. Ainda achamos normal uma pessoa explorar outras.
A nossa classe média, por exemplo, tão engajada na luta contra a corrupção e, ultimamente, contra o mal, nutre uma profunda admiração pelos ricos e opressores, e ela própria explora os trabalhadores no seu dia a dia. Paga mal sua empregada doméstica, o cabelereiro, a manicure, o jardineiro, o garçom. Muitas vezes manifesta desprezo por tudo o que é público.
Em terceiro lugar, não esquecer que o estado brasileiro sempre foi um arranjo para defender os interesses das elites. Não é organizado para defender o bem comum, os interesses econômicos dos pobres.
Até hoje não foi feita a reforma agrária, os povos indígenas são reconhecidos apenas formalmente, os direitos dos trabalhadores estão sob constante ameaça, o capital internacional ronda as riquezas nacionais que ainda restam, os programas sociais são vistos pelos rentistas como um problema ao equilíbrio das contas públicas. Há uma guerra sem trégua contra os pobres.
O Ministério Público, uma instituição de Estado, faz combate seletivo à corrupção. A Polícia Federal investiga todo mundo, como fica demonstrado na profusão de operações que atingem todo o espectro político e o alto baronato econômico. Mas a sistemática do Ministério Público tem sido denunciar apenas o que atinge os setores políticos progressistas do país.
São os órgãos de Estado, ocupados por gente bem nascida, a serviço das elites.
Em quarto lugar, não esquecer que a nossa democracia é sem povo. O povo é chamado só em tempos de eleições. A nossa democracia funciona à base de negociatas entre partidos e algumas corporações. O povo fica de fora.
Recentemente, a proposta dos conselhos populares foi boicotada pelos setores conservadores, sob a alegação de bolivarianismo. E assim, sem a participação mais efetiva do povo, chegamos ao ponto de um condomínio de deputados picaretas conduzir um processo de impedimento da presidente da república.
Em quinto lugar, não esquecer que os meios de comunicação social são monopolizados por algumas famílias. Elas têm o microfone, e o usam para defender os seus próprios interesses econômicos, contra os interesses do povo. Fazem campanha sistemática contra tudo o que pode fortalecer a autoestima do brasileiro.
Quem não se lembra do “não vai ter copa”, da campanha sistemática contra o Fome Zero, depois Bolsa Família, contra a política econômica desenvolvimentista, contra o Pré-Sal, que diziam não existir, o preconceito contra o povo do Nordeste etc.
A mídia é importante numa democracia. Mas, no Brasil, a velha mídia sempre foi golpista e manipuladora.
Em sexto lugar, não esquecer que há uma guerra contra os pobres no âmbito do sistema econômico capitalista mundial. Esse processo de impeachment acontece por razões econômicas. É visto como expressão do combate à corrupção, mas isso é uma mentira das elites, que a classe média comprou, como tem demonstrado o renomado sociólogo Jesse Souza.
O que se quer mesmo é interromper o ciclo de investimentos em programas sociais. Busca-se deter a tendência de defesa dos interesses nacionais, inaugurada pelos setores progressistas da política brasileira.
A coalizão política que está no poder praticou a corrupção. Não há duvida. Tudo deve ser investigado, e os culpados condenados, se ficar provado o mal feito. Mas é evidente que o partido do governo é combatido por outras razões.
Veja se não é verdade! O embate interno segue uma lógica mais ampla, mundial. As jogatinas dos corruptos de Wall Street, nos Estados Unidos, provocaram a crise econômica mundial, em 2008, deixando rastros de morte no mundo inteiro. Mas os corruptos estão todos soltos.
Aqui, os corruptos do caso Banestado, da década de 1990, escândalo que eclodiu em 2003, todos de bico longo e plumagem da cor céu, roubaram quase meio trilhão de reais, em valores atualizados, e não foram sequer denunciados. Atualmente, o povo nem sabe mais do caso.
Até agora ninguém conhece os nomes dos oito mil brasileiros que mantiveram contas secretas na filial do HSBC, na Suíça, embora os suíços tenham entregado a lista às autoridades brasileiras. Também não conhecemos os nomes dos 1.200 brasileiros que constam nos Panama Papers.
Os que roubaram a merenda das crianças em São Paulo, bem como os que pegavam um terço de propina de Furnas, dormem em paz.
Em sétimo lugar, não esquecer que os patrocinadores do impedimento estão aliados aos corruptos. Uma ironia. Mas não só isso. Estão esfregando as mãos com a possibilidade de entregar o poder a gente como Eduardo Cunha e Michel Temer.
Ou seja, o combate à corrupção é uma mentira das elites e um cinismo de certos setores da sociedade brasileira.
Por essas e outras razões, devemos buscar lucidez, praticar a verdade, ao pensar a crise, cuja expressão máxima no momento é o processo de impeachment.
Juristas renomados, como Dalmo Dalari e Fábio Konder Comparato, têm afirmado que esse impeachment é golpe, posto que não ficou demonstrada a prática de crime de responsabilidade da presidente da república, como prevê a Constituição de 1988. Suspeita-se que o processo esteja a serviço de outros interesses.
O PMDB concebeu uma “ponte para o futuro”, que prevê amplas privatizações, sacrifício aos trabalhadores, redução de investimentos em programas sociais etc. É o que se seguiria ao impedimento.
Em face disso, a CNBB declara, no documento supracitado, que “espera o correto procedimento das instâncias competentes, respeitado o ordenamento jurídico do Estado democrático de direito”. Ou seja, os bispos rejeitam qualquer solução que desrespeite a Constituição e se configure como mais um golpe à democracia.
O compromisso com a democracia exige o combate imparcial e sem trégua à corrupção. Como horizonte próximo, exige a rejeição do impedimento.
Estou convencido de que esse impeachment, sem a demonstração de crime de responsabilidade da presidente, é um golpe. Vem para esconder as verdadeiras razões da crise. Jamais poderá ser visto como solução. O povo brasileiro tem pela frente o desafio de resolver problemas complexos.
Leia também: