Loading...

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Estudo mostra que invernos estão mais frios porque faz mais calor

Sistema anômalo empurra ar polar no sentido anti-horário, para a Europa. Trabalho foi publicado no ‘Journal de Recherche Géophysique’.

Apesar de parecer estranho, os inclementes invernos que assolam a Europa há dez anos estão relacionados, em grande parte, ao aquecimento climático, segundo estudo publicado no “Journal de Recherche Géophysique”.

À primeira vista, o frio glacial que atinge a Europa parece pouco compatível com a alta média das temperaturas previstas para antes do fim do século, e que poderá alcançar um aumento de 5 ou 6 graus.

Para os céticos que alegam que a mudança climática não existe porque os invernos são cada vez mais frios, vários cientistas respondem que estas ondas de frio são um esfriamento temporário, parte do aquecimento global.

Um novo estudo, no entanto, vai mais longe e mostra que a alta dos termômetros é precisamente a origem destes invernos nevados e tão frios.

A causa seria o degelo da calota glacial ártica.

O aquecimento, duas ou três vezes superior à média global, provocou sua redução de 20% nestes últimos 30 anos. Esta calota pode, inclusive, desaparecer totalmente durante os meses de verão antes do fim do século.

Isso permitiu que a força radioativa do Sol fosse mais absorvida pelo mar do que refletida para o espaço pelo gelo e neve, acelerando o processo de aquecimento.

Isso afeta os sistemas de pressão, criando uma fonte maciça de calor durante os meses de inverno.

“Digamos que o oceano esteja a zero grau”, explica à AFP Stefan Rahmstorf, especialista em clima do prestigiado Instituto Potsdam (Alemanha), que pesquisa o impacto das mudanças climáticas.

“O oceano está muito mais quente que o ar ambiente nesta zona polar no inverno. Há então um fluxo quente que sobe para a atmosfera, o que normalmente você não tem quando tudo está coberto de gelo. É uma mudança extraordinária”, acrescenta.

O resultado, segundo o estudo publicado no início do mês no “Journal de Recherche Géophysique”, é um sistema de altas pressões que empurra o ar polar no sentido anti-horário, na direção da Europa.

“Estas anomalias podem triplicar a probabilidade de haver invernos extremos na Europa e no norte da Ásia”, indica o físico Vladimir Petujov, que coordenou o estudo.

Outras explicações para estes invernos atípicos, como uma baixa da atividade solar ou as mudanças na Corrente do Golfo, “tendem a exagerar os efeitos”, acrescenta Petujov.

Além disso, o especialista destaca que no inverno glacial de 2005-2006, quando as temperaturas caíram 10 graus em relação às habituais na Sibéria, não foi constatada nenhuma anomalia na oscilação norte-atlântica, um fenômeno meteorológico sugerido como possível explicação desses invernos inclementes.

Os cientistas assinalam que estes invernos tão frios na Europa não refletem a tendência global constatada no planeta, já que 2010 deve ser um dos três anos mais quentes da história.

“Quando olho pela minha janela, vejo 30 cm de neve e o termômetro diz -14 graus”, conta Rahmstorf, falando por telefone em Potsdam, e acrescenta: “Ao mesmo tempo, na Groenlândia, estamos acima de zero em dezembro”.

Fonte: outrapoliticaemsampa

Nenhum comentário: