Loading...

quarta-feira, 4 de julho de 2012

No embalo das Comunidades Eclesiais de Base da América Latina e do Caribe


No embalo das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da América Latina e do Caribe, nós, representantes das CEBs do Brasil, acompanhados pela imagem de Nossa Senhora Aparecida e impulsionados pela mensagem de Pedro Casaldáliga, partimos para Honduras para participar do IX Encontro Latino Americano e Caribenho das CEBs. Fomos acolhidos/as pelas comunidades eclesiais de base de Honduras, com muito carinho, na casa Monte Horeb, por sinal, um lugar lindíssimo, situado no meio das montanhas, com jardins belíssimos.

Estiveram presentes participantes dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Uruguai, Venezuela, Alemanha. Foram convidados, Estela Padilla, de Filipinas; bispos presentes: Dom Giovane Pereira de Melo, Diocese de Tocantinópolis, TO, Brasil, bispo referencial para o setor CEBs da CNBB; Monsenhor Ángel Garachana Pérez, bispo de San Pedro de Sula.

O objetivo geral do encontro foi compartilhar e avaliar, projetar e celebrar a caminhada das CEBS no continente e, assim, continuar semeando a semente e os frutos da nova sociedade e da Igreja em vista do Reino de Deus. Tema: Relançamento das Comunidades Eclesiais de Base; Lema: As Comunidades Eclesiais de Base a Serviço de Justiça e da Vida.

Os primeiros dias, apesar da indignação pelos incidentes que sofreram nossos amigos do Haiti, que impossibilitou sua participação no encontro, pois lhes foi negado o visto de entrada em Honduras, foram de muita partilha sobre as experiências vividas no dia a dia das comunidades, considerando as seguintes provocações: qual é a minha história na CEBs, onde e como começamos essa caminhada, o que nos move até hoje. Muitos de nós viemos dos grupos reflexão, dos círculos bíblicos, da luta pela terra e pela água, moradia e outros. Ouvimos histórias e testemunhos belíssimos de pessoas que nem sabiam o que é uma comunidade e, hoje, são discípulas/os de Jesus Cristo em seus países.

Vários presbíteros e leigos/as deram testemunho da sua vocação nascida no seio das CEBs. Entre eles, o bispo referencial das CEBs e do laicato brasileiro, Dom Geovane Pereira de Melo, os padres Josivan Arruda Calixto e Benedito Ferraro. São histórias e compromissos ricos para a vida Igreja e, principalmente, para nós, leigos e leigas. São vocações nascidas nas comunidades, ou seja, vieram do meio do povo e continuam, hoje, presentes no meio do povo.

Quando a delegação brasileira fez sua apresentação, juntamente com Dom Geovane, os participantes gritavam "queremos os bispos no meio do povo”. Isso, para nós, foi um clamor do povo interpelando os nossos pastores para que estejam mais presentes na vida do povo sofrido e esquecido. Nesse sentido, a presença de Dom Geovane foi muito positiva. Ele acompanhou e participou conosco em todos os momentos do encontro, assim, fez Ferraro. Isso marcou o encontro. Algumas pessoas diziam para nós: "aquela é a verdadeira Igreja de Jesus de Nazaré”. Essas presenças, a da juventude e das mulheres, foram avaliados positivamente pela equipe continental das CEBs.

Outro momento importante do encontro foi a análise de conjuntura. A partir dela partimos para as discussões sobre a ecologia, a luta pela terra, a situação dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos, mulheres, educação, a importância da nossa presença nos movimentos sociais e na pastoral social.
Interpelados por esses temas, continuamos refletindo sobre as nossas fraquezas, debilidades e desafios. Foram momentos muito ricos nos quais percebemos que estamos mais vivos que nunca, somos resistentes e não deixamos a chama das CEBs se apagar, ou seja, a Célula das CEBs permanece viva, e sem perder aquilo que é mais sagrado na caminhada das comunidades Eclesiais de Base, a vivência e a prática do evangelho de Jesus Cristo no meio dos pobres e excluídos/as.

Os bispos afirmaram isso no documento 25 da CNBB: "As CEBs são expressão do amor preferencial da Igreja pelo povo simples”. Sabemos também que estamos vivenciando um tempo de muitas mudanças sociais e eclesiais, que dificultam as nossas ações e a nossa identidade. Todavia, neste encontro reafirmamos a nossa identidade. E, diante desses desafios, conclamamos a todos com as mesmas palavras de Dom Pedro Casaldáliga pronunciadas na mensagem de abertura do IX Encontro Latino Americano: "O Espírito nos anima a transformar a hora escura da crise em hora luminosa de Kairós. Ser diálogo, diaconia, evangelização integral, militância e contemplação; a partir do dia a dia da família e do trabalho, da eclesialidade ministerial e da organização popular, da pastoral e da política. Três atitudes maiores nos devem definir nessa hora: Indignação profética, Compromisso militante, Esperança pascal. Com isso reafirmamos nosso compromisso com a Igreja dos pobres, de todos os povos, e com o meio ambiente.

As palavras de Dom Pedro Casaldáliga encheram nosso coração de esperança. Podem nos tirar tudo, menos a esperança. Devemos fazer questão de vivermos, todos, agitando, se comprometendo. Cada um de nós é uma célula-mãe, espalhando vida, provocando a vida. A Igreja da libertação está viva, ressuscitada, porque é a Igreja de Jesus. A teologia da libertação, a espiritualidade da libertação, a liturgia da libertação, a vida eclesial da libertação está profundamente arraigada no mistério pascal, que é o mistério da vida de Jesus, o mistério das nossas próprias vidas.

Tivemos também um dia de missão. Fomos visitar e conhecer as comunidades de Honduras. Foi uma riqueza imensa conhecer as comunidades. A realidade não é muito diferente da nossa. São muitas comunidades distantes uma das outras, e poucos presbíteros. O que chama a atenção é que as comunidades são bem organizadas e articuladas pela diocese e suas paróquias. As lideranças, as mulheres predominam, são pessoas simples. Uma experiência boa foi vivida em uma paróquia, onde o pároco tinha convidado as lideranças de todas as comunidades para dar seu testemunho de vida comunitária; ou seja, não foi o presbítero quem falou da vida da comunidade, mas sim o animador da comunidade que está no dia a dia da comunidade. Isso, para mim, foi divino perceber a valorização dos animadores das comunidades. Podíamos ver no rosto desses animadores a alegria de estar falando da sua comunidade e da sua experiência de vida comunitária. Quem sabe, nós, brasileiros também poderíamos nos inspirar nesse exemplo. Pois, muitas vezes dizemos o que vamos fazer para a comunidade e não as pessoas que vivem lá falar de sua própria experiência.

Nas celebrações da Palavra e da Eucaristia experimentamos uma espiritualidade diversificada. Apesar das diferentes línguas, esses momentos celebrativos nos uniam cada vez mais. Foram momentos muito significativos para todos nós. Dizem que o Céu é muito bom! Eu, particularmente, experimentei um pedacinho do céu. Fui seduzida mais uma vez pelo nosso Deus.

O que deixamos em Honduras: Além da imagem de Nossa Senhora Aparecida e a mensagem de Dom Pedro, nosso canto "Peneirei Fubá”. Nós, brasileiros, éramos convocados várias vezes para animar o encontro com esse canto e o "Trem das CEBs”. Deixamos também a nossa experiência, nossa firmeza, a nossa alegria e paixão em fazer parte dessa grande família do Reino, as CEBs, nossa amizade, a solidariedade e um grande carinho pelo povo e pela equipe das CEBs de Honduras.

O que trazemos de volta: mais experiências, alegria e muita esperança; aimportância da nossa articulação com os movimentos sociais e com a pastoral social. O sentido de pertença à Pátria Grande. Uma imensa gratidão à equipe das CEBs de Honduras.

O compromisso com a ecologia, a articulação entre o Bem Viver e o Bem Conviver, a solidariedade com os migrantes, o desejo de fortalecer as CEBs e acolher os jovens.

Termino com as frases do saudoso Dom Luciano Mendes: "o encontro das CEBs é um verdadeiro pentecoste. É a festa da Redenção, o povo pobre e organizado, mulheres, homens, jovens e crianças, se reúnem para dançar a dança da redenção”.


Maria da Silva Costa Rossi
Coordenadora das CEBs – Oeste II – CNBB.
Articuladora das CEBs Nacional e Continental América Latina e Caribe

Nenhum comentário: