Loading...

quinta-feira, 28 de junho de 2012

A Comunidade Eclesial é nossa casa!

Marcam o mês de junho em nossas Comunidades Eclesiais as festas juninas, que expressam a espiritualidade encarnada na cultura de nosso povo. Destacamos as Festas de Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo.
Com Santo Antônio, aprendemos a melhorar as relações na família, no trabalhoe na comunidade. Com São João, que estamos celebrando hoje, aprendemos as lições de autenticidade, a coragem da denúncia, o vigor da ética. É o santo que deveria ser seguido pelos políticos, na retidão, coragem, desprendimento.
No próximo domingo (01/07) a Igreja celebra São Pedro e São Paulo, Apóstolos. Pedro, “pescador de homens”, pedra sob a qual Cristo edificou a sua Igreja, exerceu a primazia sobre o grupo dos apóstolos, na condição de primeiro Papa, primazia que se estende àqueles que o sucederam.
As festas que celebramos são expressões de convivência, de vida e de esperança cristã. São maneiras de expressar a fé presente de diversas formas na Rede de Comunidades Eclesiais de Base de nossas Paróquias e refletem “a sede de Deus que somente os pobres e simples podem conhecer”(DAP 258-265).
Estas e outras expressões depiedade popular são“uma síntese entre as culturas e a fé cristã”, modos de se sentir parte da Igreja, uma poderosa confissão do Deus vivo que atua na história e um canal de transmissão da fé.
“O povo é o mestre de minha caminhada”, afirmava um grande amigo jesuíta,Pe. Claudio Perani, que faleceu em 2008, tendo vivido a maior parte de seus 55 anos de vida religiosana Amazônia.
Após três anos da realização do 12º Intereclesial das CEBs de Porto Velho (21-25/07/2009), posso também dizer que o povo das CEBs tem sido o mestre de minha trajetória nesta região. São milhares de comunidades espalhadas na Amazônia, sinais da presença de uma Igreja viva, encarnada na realidade, levando a mensagem centrada no Reino de Deus.
As Cebs, como nos disse PePossidonio,estão vivas na sua variedade de rostos, realidades, situações”. Tendo a encarnaçãocomo método, assumido na Assembléia de Santarém (1972), a Igreja amazônica avançou no que hoje se denomina de inculturação. E plenificou sua presença neste chão quando em Manaus (1997) se declarou como a Igreja que armou sua tenda na Amazônia, ensejando a declaração de uma Igreja com rosto amazônico.
E é nesse contexto que as Comunidades eclesiais de base vão se consolidando, pois, nascendo nessa realidade buscam ser a resposta de fé que as pessoas precisam dar às situações humanas concretas. Fé e Vida tornam-se um binômio inseparável. Nasce aqui a espiritualidade do seguimento, que tornou a Igreja missionária e solidária com as dores e angústias daqueles que não podem sentar-se à mesa da fartura e da dignidade.
A Comunidade Eclesial é originária da nossa região, portanto,é nossa casa, casa de comunhão.Estou convencido de que uma Paróquia que quer enfrentar a realidade urbana com seus desafios precisa tornar-se uma rede de comunidades.
A espiritualidade das Cebs, nascida fundamentalmente da Bíblia, permitiu ao povo reassumir de forma criadora as tradições religiosas e a devoção popular, dando a essas expressões um critério evangélico, centrando-as no seguimento de Cristo e forjando uma vivência mais ética de ser cristão e ajudando muitos pobres a manter viva sua esperança de dias melhores. A religiosidade popular, com sua diversidade, é de uma riqueza extraordinária, que continua sendo cultivada nas CEBs.
É nesta caminhadade discípulos missionário que nos fazemos peregrinos irmãos e irmãs dos migrantes, cuja semana estamos encerrando hoje.

Nenhum comentário: