Loading...

terça-feira, 22 de maio de 2012

Interdiocesano das CEBs Santa Catarina reúne mais de 4 mil no CEAR

 O Centro de Evangelização Angelino Rosa (CEAR), da Comunidade Divino Oleiro, em Governador Celso Ramos (SC), sediou neste domingo, 20, o III Interdiocesano de Grupos de Reflexão, Famílias e Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).

Mais de 4 mil animadores e membros das dioceses de Criciúma, Tubarão e Arquidiocese de Florianópolis participaram do encontro.

A Diocese de Criciúma, na presença de seu bispo, Dom Jacinto Inacio Flach, conduziu a celebração de abertura, apresentando por meio de símbolos o “Ver” do tema “Justiça e Profecia no campo e na cidade”.

Os gritos cultural, socioeconômico, político, ecológico e religioso, baseados nas Diretrizes da Ação Evangelizadora no Brasil (DGAEB), foram apresentados através da rede, da colcha de retalhos, do globo, do título de eleitor, dos slides mostrando problemas ambientais, da maquete de uma casa e da imagem da Sagrada Família.

Olhando para a multidão presente no encontro, o padre Vilson Groh recordou à assembleia as grandes multidões que seguiam Jesus. “Seu Espírito nos revelará grandes coisas no dia de hoje e nos enviará em missão”, disse.

O Interdiocesano contou com a assessoria de Groh e de Sirlei Gaspareto, leiga da Diocese de Chapecó. “Não há como ser cristão sem a profecia e a justiça. O próprio caminho do Evangelho vai nos mostrar isso. A luz da inculturação do Evangelho e a iniciação cristã vem dos grupos de reflexão, que são célula viva da Igreja de Jesus Cristo. A Palavra de Deus vai entrando dentro de nós, e nós, como fermento, vamos transformando o mundo melhor”, disse a assessora.

Conforme Sirlei, através dos GFs, as famílias se conhecem e “o cristão torna-se o cuidado do outro”. Segundo ela, na era da Internet, estarem todos ali, juntos, já é uma profecia.

Sobre a necessidade de justiça e profecia, Sirlei salientou que a humanidade vive uma grande crise de valores. “No lugar de Deus colocaram-se os interesses da ganância humana. Hoje o reino de Deus é trocado pelo consumismo. Não basta ter a Bíblia debaixo dos braços, é preciso fazer aquilo que a Palavra nos propõe”, enfatizou a assessora, afirmando que evangelizar é uma atividade conflitiva, desde o tempo de Jesus, que confrontou doutores da lei e o preconceito de fariseus, por exemplo.

O assessor Pe. Vilson Groh lembrou as cinco urgências das DGAEB e conclamou os cristãos a reconhecerem Jesus no rosto dos irmãos excluídos e sofredores. “Temos que entrar nas estruturas da cidade e se entra a partir dos pobres”.

No final da manhã, as dioceses apresentaram o “Julgar”, priorizando três eixos das DGAEB, através de encenações: O tema de Tubarão foi “Igreja em Estado Permanente de Missão”; Florianópolis, “Igreja lugar de Animação Bíblica” e Criciúma, “Igreja Comunidade de Comunidades”.

À tarde, o enorme grupo retornou com a assessoria de Pe. Vilson Groh, desenvolvendo aspectos para o “Agir”. “Os Grupos de Famílias são o espaço onde se faz a experiência mística e completa da Palavra de Jesus Cristo. São espaço de serviço, de diálogo. Nos enviam à missão de formar comunidade nos prédios, periferias e áreas rurais”.

Em seguida à fala de padre Groh, os fieis acompanharam a leitura da carta enviada pelo bispo referencial das CEBs e GFs na CNBB Regional Sul 4, Dom Augustinho Petry, que falava sobre a importância das pessoas, famílias e comunidades envolvidas na evangelização.

“Quando a gente se encontra, brota de dentro de nós a mais profunda experiência de nossas entranhas, porque a gente tem a segurança em partilhar com o grupo aquilo que Deus opera nas nossas vidas diariamente”, continuou padre Vilson Groh.

“O Espírito Santo está na boca de quem fala e no ouvido de quem ouve. Aqui acontece o ‘engravidamento’ da Palavra e aqui a Palavra nasce”. Para Pe. Vilson Groh, todos os animadores devem dedicar ao menos meia hora de seus dias à leitura orante da Bíblia. Segundo ele, os GFs são espaço de evangelização que acolhem e transformam vidas; porta de reaquecimento de pessoas que esfriaram sua fé. “Temos que ajudar nossas paróquias a serem ‘comunidade de comunidades’”, enfatizou.

No fim da tarde, foi dado espaço aos leigos das dioceses para partilha das realidades, baseada na questão: “Como podemos agir a partir de tudo que se conversou hoje?”. O protagonismo dos grupos na Igreja, a importância da unidade entre pastorais, sacerdotes e grupos em defesa da vida, o exercício de atividades práticas e concretas, além da atuação e presença junto aos rostos sofridos foram alguns dos pontos apontados, entre outras questões.

As propostas foram concluídas pelos assessores e serão encaminhadas para serem trabalhadas nas dioceses.

A próxima grande atividade dos Grupos de Famílias no regional agora será o 11º Encontro Estadual das CEBs, que acontecerá de 07 a 09 de setembro de 2012, na comunidade Monte Serrat, na periferia de Florianópolis.

O III Interdiocesano foi encerrado com a Celebração Eucarística, às 16h, presidida pelo presidente da CNBB Regional Sul 4 e arcebispo metropolitano de Florianópolis, Dom Wilson Tadeu Jönck. A missa foi concelebrada pelo bispo dom Jacinto Inacio Flach e pelo administrador diocesano de Tubarão, Pe. Sérgio Jeremias, entre mais de 20 sacerdotes.

Durante todo o evento, o povo da Diocese de Criciúma usou a cor verde, enquanto Tubarão foi identificado pela cor vermelha e Florianópolis pela cor azul. Organizando o encontro, os grupos contaram com a participação da coordenadora regional dos GFs, Gloria Maria Mazzuco, que também representou a Diocese de Criciúma junto ao coordenador diocesano Noel Dias Fermino.

Nenhum comentário: