Loading...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Sai ano entra ano...

Sai 2011, entra 2012... O que muda? Praticamente nada, se excluirmos as datas. O calendário das mudanças históricas não é linear, seqüencial. Ao contrário, avança e recua, de acordo com as mais diversas circunstâncias. Há décadas que se arrastam como séculos, e há séculos em que as transformações se aceleram tão velozmente que os anos parecem dias. Os historiadores falam, por exemplo, do "breve século XX" (Erica Hobsbawn, em Era dos Extremos) e, ao mesmo tempo, de "Il lungo XX secolo" (Givanni Arrighi), conforme o enfoque da narrativa.

Mais perto do dia-a-dia, cada passagem de ano provoca uma euforia ou certo alvoroço, seguido de marasmo ou apatia. O sinal mais evidente disso está justamente no show pirotécnico que se realiza à meia noite do dia 31 de dezembro por todos os cantos do planeta: os fogos explodem em belas imagens de luzes e cores, mas em poucos segundos não passam de cinza apagada e morta. A correria do consumo e das festas rapidamente dá ligar ao período da ressaca e das dívidas. Como a maré que esbraveja ruidosamente contra as areias da praia, para depois recuar lenta e silenciosa.

A pergunta é: o que permanece de tudo isso? O que nos deixa como legado esse dinamismo substituído pela indiferença que, a cada ano, parece repetir-se em nossa trajetória? O calendário, seja ele solar, civil, político ou litúrgico, tem como função determinar o ritmo da vida. Nenhuma pessoa, povo ou cultura suporta um tempo indeterminado e abissal, sem marcos que regulem seu transcorrer silencioso. Tememos esse monstro, se não o temos devidamente controlado. As datas fixas do calendário deixam entrever os batimentos cardíacos de um tempo domesticado. Mas deixam entrever, sobretudo, a necessidade humana de imprimir onde no caos. Da mesma forma que o coração humano, também o coração da história bate em sua própria cadência e pode, igualmente, sofrer aceleração, arritmia, cansaço e até paradas súbitas.

Aqui entra o tema da ação social em suas variadas formas e iniciativas. Ela pode retardar ou acelerar o ritmo da história, independentemente do calendário fixo na parede dos escritórios e salas. As últimas décadas, no Brasil, exibem certa perplexidade e desinteresse quanto ao engajamento sociopolítico. O desestímulo parece ter tomado o lugar do entusiasmo militante e marcante das décadas anteriores. O foco da justiça, do direito e do bem-estar social dos anos 1960 até 1980 foi substituído, hoje em dia, pelo fogo do bem-estar pessoal, individual. O culto à satisfação do "eu", do corpo e da celebridade manifestam um hedonismo e individualismo mal disfarçados. O importante "é estar numa boa". A ética do trabalho, do dever e do compromisso vai, progressivamente, dando lugar à ética do prazer.

No caso do Movimento Social tomando em seu conjunto, o desencanto tem muito a ver com os entraves ao que se convencionou chamar de "Projeto Popular para o Brasil" (PPB). De uma forma ou de outra, o governo do Partido dos Trabalhadores (PT) contribuiu para pulverizar os esforços coletivos em torno à construção de um esboço de projeto popular. Semelhante esboço tem seu berço em vários igarapés dos anos 1970, tais como a prática das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e a reflexão teórica da Teologia da Libertação (TdL), movimentos sindicalistas e estudantis, aporte dos intelectuais orgânicos, movimentos sociais, etc. Igarapés que no início de 1980 vão formar o grande rio da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do PT. Nas décadas de 80 e 90, dois projetos se lutam pela tomada do poder: projeto neoliberal e projeto popular. No interior de tudo isso, e avançado para a década de 2000, prosseguem o processo de reflexão das Semanas Sociais Brasileiras (SSBs), das Consultas Populares (plebiscitos), da Assembleia Popular, do Grito dos Excluídos, da Campanha Jubileu Sul, entre tantas outras iniciativas.

Porém, a partir do momento em que o PT assume o Palácio do Planalto, por distintos fatores, motivações e circunstâncias que o espaço e o tempo não permitem detalhar, o PPB se desagrega pouco a pouco, não conseguindo pautar a agenda do governo federal. O acúmulo de reflexão adquirida ao longo de várias décadas começa a erodir-se. Escorrega entre os dedos, através de posturas diferentes, às vezes ambíguas e atônitas e até mesmo contraditórias. Também as Igrejas (no plural) tiveram um papel tímido nesse processo de esfarelamento do poder popular. O seu silêncio, às vezes ensurdecedor frente a situações de extrema gravidade, de certa forma consagra e legitima a apatia que se reflete nas ações sociais. Pior ainda quando a tal silêncio se acrescenta uma postura ativa de volta à sacristia e à doutrina, ao dogma e à pompa principesca por parte de não poucos setores eclesiais.

Além disso, no interior mesmo dos movimentos sociais, das entidades e organizações não governamentais, das pastorais, associações e de outras iniciativas de caráter originalmente popular, não raro se desenvolve certo "profissionalismo de laboratório" que afasta e desestimula o "trabalho de formiguinha". Isso para não falar de outros "ismos", como centralismo, machismo, nepotismo, falta de transparência na administração financeira... Nesse campo, não é difícil que planetas virem estrelas e estas não sabem mais (ou não querem) retornar ao trabalho de base.

Obviamente a passagem de ano não traz transformações automáticas. Nos avanços e recuos da história não há magia. Aliás, tanto a economia como a política brasileira não parecem dispostas a mudar o rumo do modelo neoliberal vigente. Mudanças de superfície, sim, aparecem a todo o momento, acompanhadas de eloquente retórica. Mas não mudanças profundas e substanciais. Estas, aliás, como bem sabemos, não costumam descer do alto (ou do planalto), mas da planície ou do chão, a exemplo das flores, das espigas e dos edifícios. São como as sementes: primeiro, mergulham suas raízes no solo frio e úmido da realidade; só depois se erguem em direção ao sol, ao céu azul e ao ar livre. Deixemos no ar uma pergunta incômoda: em 2012 podemos esperar que as políticas públicas superem as políticas compensatórias e que o projeto de poder dê lugar a um projeto de nação?


Pe. Alfredo G. Gonçalves

Nenhum comentário: