Loading...

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

As lições do presépio

Resgatando a origem religiosa do Natal podemos perceber que esta data encerra algo mais do que vemos na sociedade atual. Visitando alguns presépios podemos constatar certa originalidade em quase todos eles. O pinheiro, a vela, as estrelas, a bolas coloridas e resplandecentes, os efeitos de luzes multicores, o Menino Jesus, a Virgem Mãe, o bom José, o boi, o asno, ovelhas, camelos, os reis Magos e até papai Noel (Epa! o que ele está fazendo aqui?).

O Presépio é o grande cenário onde estão presentes os elementos da unidade cósmica: Deus, na pessoa do Menino Jesus; os homens representados por Maria, o bom José, os Pastores – estes representando os marginalizados, a quem Deus visitou de modo especial –; os Magos do Oriente – aqui simbolizando a universalidade das raças –; a estrela, sinalizando o universo presente no acontecimento natalino; o boi, o asno e a palha – elementos que simbolizam a natureza. Portanto, o Natal é a celebração do grande pacto ecológico porque o Deus aí revelado é um Deus que encarna todo o universo e não somente o Homem.

Paralelo à singeleza e a grandeza desse cenário do presépio havia outra realidade. A Bíblia diz que o povo que vivia na cidade de Belém – na expectativa da vinda do Messias – estava ocupado com seus afazeres cotidianos. A cidade estava tomada por gente de todos os cantos que ali se encontrava por determinação do Imperador de Roma – o governo da terra – para o recenseamento. O Império que queria saber quantas pessoas existia no seu território, não porque estivesse interessado por essa gente, mas porque queria saber se os impostos arrecadados correspondiam ao número de súditos.

Com o recenseamento, Belém estava cheia. O comércio fervendo. Não havia lugar nas hospedarias para uma mulher grávida e acompanhada do tal José que se dizia da linhagem de Davi e não tinha dinheiro para pagar a hospedagem. Também não havia lugar no coração daquela gente para um gesto de caridade: acolher uma família pobre que precisava de um lugar para que viesse à luz uma criança.

Muita gente, na pacata cidade de Belém de Judá, não percebeu a passagem de José e Maria. E aqueles que os viram – inclusive a procura de uma hospedagem – os ignoraram. Todos estavam ocupados com aquele acontecimento social e aproveitavam a oportunidade para ganhar um pouco mais com suas atividades. Hoje não é muito diferente.

Pelas ruas e avenidas das cidades vemos luzes e balões coloridos dando um aspecto multicor à ocasião. As cantigas natalinas – muitas das que foram feitas com o verdadeiro espírito do Natal – anunciam o advento de um velho tempo em que a lógica perversa do mercado dita o comportamento daqueles que podem presentear os seus; e que se danem os deserdados e os sem salários, a escória da humanidade que habita o submundo da miséria, os geograficamente confinados nos morros e favelas, às margens da sociedade próspera!

Nos grandes centros comerciais, principalmente nos shoppings – o grande templo onde se cultuam o deus mercado e namoramos as vitrines alimentando o desejo de ter – as pessoas se acotovelam num frenesi incansável nas compras das futilidades que a sociedade de consumo oferece com sinônimo de felicidade. Papai Noel, protótipo profanizado de uma figura lendária européia, transformou-se no “bom velhinho” que serve para incentivar o comércio, aliciando as crianças e adultos a exigirem presentes e mais presentes. Tudo em nome da lógica do mercado que a cada ano precisa superar o ano que passou vendendo mais.

Os símbolos do Natal não carregam mais o significado do maior acontecimento da História: a encarnação de Deus. O menino frágil, envolto em panos e deitado sobre as palhas de uma manjedoura, cercado de animais e figuras desprezíveis – como eram os pastores na ocasião, os destinatários de uma alvissareira notícia – não passam de símbolos de uma poesia sentimentalista, capturados pela ideologia mercadológica a serviço da lucratividade comercial.

Perdemos o referencial da sacralidade do Natal onde Deus e o homem, o humano e o divino se encontram na pessoa do Menino Jesus. Mergulhamos na profanização da existência, materializamos o Sagrado.
Esquecemos – e muitos nunca o souberam – que Natal é um tempo especial que nos propicia fazer uma reflexão a respeito do grande mistério da vida, a encarnação de Deus. A fé cristã e a doutrina dela oriunda nos ensinam que a encarnação – o Verbo se fez carne e habitou entre nós – significa que Deus se fez homem e o homem foi divinizado. Tudo isso na pessoa frágil do Menino deitado no Presépio. Deus, na pessoa de Jesus de Nazaré, abraçou a humanidade. Ninguém, nem nada ficaram fora da abrangência do Criador quando se fez criatura na noite do Natal.

Hoje, muito tempo depois do primeiro Natal, é imperioso indagarmos onde estamos. Estamos no Presépio vivenciando tudo aquilo que ele encerra: a encarnação de nosso Deus; ou estamos nas cidades – com estavam em Belém seus moradores ocupados com o recenseamento do Imperador –, todos, perdidos no vai-e-vem dessa gente ocupada com seus compromissos mundanos, indiferentes ao Deus que passa e pede uma hospedagem?

Disse Angelus Silesius, místico e poeta de outros tempos: “Nasça Cristo Mil vezes em Belém e não nasça em teu coração: estás perdido para o além, nasceste em vão”.


ANTONIO SALUSTIANO FILHO
advogado, ambientalista

Nenhum comentário: