Loading...

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Dom Leonardo Steiner visita aldeias indígenas

Depois de percorrer cerca de mil quilômetros e visitar comunidades Guarani Kaiowa na região sul do Mato Grosso do Sul, o Secretário Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Leonardo Ulrich Steiner, realizou uma coletiva de imprensa nesta terça-feira, 31 de janeiro, na Cúria Diocesana de Campo Grande (MS).
“A situação é de desamparo e violência. Pelo constatado, a origem de todos os problemas está na falta de andamento dos processos de demarcações de terras tradicionais e na ausência de políticas públicas”, declarou Dom Leonardo em visita ao tekoha Kurusu Amba, no município de Coronel Sapucaia. O Bispo verificou que os Kaiowa de Kurusu Amba sofrem ainda com o veneno jogado nas plantações de soja, que contamina a água e o solo, bem como a falta de alimentos para a comunidade e escola para as crianças.
Esta mesma realidade foi observada por Dom Leonardo em outras duas áreas de retomadas: tekoha Laranjeira Nhanderu, município de Rio Brilhante, e tekoha Guaiviry, município de Aral Moreira. Em Laranjeira, os Guarani Kaiowa estão sob ordem de despejo, que poderá ser cumprida nos próximos dez dias. Ele ouviu dos indígenas que a comunidade decidiu pela permanência, pois cansou de ver indígenas morrerem nos acampamentos à margem da rodovia - local para onde devem voltar caso sejam despejados.
“A Igreja precisa olhar para nossos irmãos indígenas. Vamos nos movimentar nesse sentido, porque não é possível aceitarmos tal situação. Os indígenas precisam de suas terras para viver o próprio modo de vida e praticar sua cultura”, frisou Dom Leonardo. Disse ainda ser admirável que depois de tantas décadas de violência e perseguição, os Kaiowa preservem a língua e seus modos. “Em verdade, isso é o que os mantêm. Então, é importante nunca abandonar as danças, as práticas religiosas tradicionais”.
No tekoha Guaiviry, local onde vivia o cacique Nisio Gomes, desaparecido depois de ataque de pistoleiros em 18 de novembro do ano passado, o Secretário Geral da CNBB visitou o lugar em que Nisio foi baleado, percorreu o acampamento, visitou o rio e mostrou-se emocionado com a receptividade alegre das crianças, mesmo em meio a tantas dificuldades e violência. Os indígenas pediram a Dom Leonardo que os ajude a recuperar o tekoha. “Foram visitas muito bonitas, profundas. Estou convencido de que não podemos mais permitir que a conjuntura do Mato Grosso do Sul para os indígenas se mantenha. A Igreja quer contribuir. Inclusive uma das notas mais fortes que a CNBB divulgou nos últimos tempos foi sobre os episódios de violência contra os indígenas”, destacou Dom Leonardo, em visita ao Ministério Público Federal para se inteirar de mais dados e informações.
O Bispo recebeu também, em Campo Grande, uma comissão de lideranças Terena, povo que mantém luta semelhante aos Guarani Kaiowa e que tem na demarcação de terras o principal entrave para a posse do território tradicional. No ano passado, um ônibus escolar Terena foi atacado. Uma mulher morreu

Nenhum comentário: