Loading...

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Entrevista com Dom Manuel Edimilson da Cruz


"Votar em corrupto é votar na morte"

Bispo que rejeitou homenagem do Congresso lidera movimento para atrelar o
reajuste dos parlamentares ao aumento do salário mínimo

INDIGNAÇÃO
Dom Edmilson diz que o brasileiro já
não suporta tanto desrespeito


Os políticos costumam ser generosos quando seus salários são o assunto.
Não há
crise ou urgência de corte de gastos públicos que os constranjam.

Invariavelmente, eles reajustam seus ganhos bem acima do patamar conseguido a
duras penas pelos trabalhadores brasileiros.

O último aumento auto-concedido

pelos congressistas foi de nada menos que 61%, o que, considerando salários e
benefícios, elevou para R$ 2 milhões o custo anual de cada um dos 81 senadores.

Cada deputado federal passou a custar R$ 1,4 milhão anuais para o contribuinte.
Mas este agrado ao próprio bolso, acertado com rapidez no final do ano passado,
acabou provocando um movimento que se espalha pelo País:
a defesa de uma lei que

atrele o reajuste salarial dos parlamentares
ao do salário mínimo e das

aposentadorias.


"O Congresso não tem ninguém do porte
de um Nelson Mandela, que baixou em
50% o valor de seus honorários”

No centro da articulação por esta nova lei está o bispo emérito de Limoeiro do
Norte, no Ceará, dom Manuel Edmilson da Cruz.

Ele vem recebendo e-mails de todo

o País incentivando-o a assumir a liderança de uma campanha destinada a
controlar o apetite dos parlamentares. Dom Edmilson, aos 86 anos, foi o
responsável pela reação direta ao último aumento abusivo.

Ele tinha sido
convidado ao Senado, em dezembro, para receber a comenda dos Direitos Humanos Dom Helder Câmara, por sua luta em favor dos menos favorecidos do Nordeste.

Da
própria tribuna do Senado, no entanto, recusou a condecoração e deu um sermão
nos parlamentares: “Isso (o aumento de 61%) é um atentado, uma afronta ao povo
brasileiro, ao cidadão, à cidadã contribuinte”, disse dom Edmilson.

“A comenda
hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior
que foi dom Helder
Câmara. Desfigura-a.”

Com quase 50 anos como bispo e acostumado a enfrentar os

poderosos do Nordeste – inclusive criticando frente a frente generais que
pontificavam na época da ditadura militar –, ele afirma que

o “representante do
povo” que votou a favor do aumento não é digno de tal função.
“Isso não é um
parlamentar, é ‘para lamentar’.”

Nenhum comentário: