Loading...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Reflexão em torno da eleição para a Presidência da República

os Agentes do Secretariado Nacional e dos Secretariados Regionais da Cáritas Brasileira:



Reflexão em torno da eleição para a Presidência da República



Respeitando as convicções políticas de cada um e de cada uma, acho importante chamar a atenção de todos sobre o significado especial da eleição do próximo dia 31 de outubro.

Nesta eleição, está em jogo o futuro da democracia brasileira. Pois corremos o risco de criar um sério precedente, que se confirmado poderá inviabilizar daqui por diante o processo eleitoral brasileiro.

Esta campanha trouxe um fato novo, inesperado e surpreendente: a avalanche de calúnias, difamações, mentiras, deboches, acusações injustas, trapaças, difundidas impunemente pela internet, acobertadas pelo anonimato, fora do alcance da justiça eleitoral e sem nenhuma restrição de qualquer ordem, e todas endereçadas contra uma determinada candidata.

Foi feito um trabalho orquestrado, constante e sistemático, que não teve escrúpulo de inventar mentiras e instrumentalizar a própria religião para encobrir seu intento de destruir uma candidatura.

Se desta vez esta estratégia for vitoriosa, fica seriamente comprometido o processo eleitoral daqui para frente.

O jeito para neutralizar este procedimento antidemocrático é derrotá-lo pelo voto. Não adianta proibir. É preciso mostrar, pelo voto, que ele não vinga.

Eis porque desta vez o voto tem este valor especial. Antes de eleger quem vai assumir a Presidência da República, temos que garantir a democracia.

E podemos fazer isto votando na Dilma. Pois foi ela a vítima desta trama. E por isto ela personifica nossa luta pela democracia.





Convido a fazerem esta reflexão com as pessoas que puderem contactar nestes dias, no respeito e no diálogo que este assunto merece.

Além das preferências pessoais, e da escolha para a Presidência, desta vez está em jogo uma causa maior, que precisa ser bem assumida.



Cordialmente,



l



D. Demétrio Valentini



­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



REGENERAR A CAMPANHA

D. Demétrio Valentini

Temos pela frente mais uma semana de campanha eleitoral, em segundo turno para a Presidência da República.

Viria bem a propósito uma sugestão: quem sabe nesta semana daria para regenerar a campanha, livrando-a de sua mediocridade, e de muitos equívocos que a caracterizaram até aqui?

Quem sabe, ainda daria para debater propostas concretas de governo para os próximos quatro anos, sem perder de vista, claro, as perspectivas de um projeto de Brasil a longo prazo. Realizar em torno destas propostas uma discussão franca, aberta, aprofundada, procurando garantir a viabilidade de tudo o que cada um pretende fazer.

A discussão poderia ser conduzida pelos dois candidatos, mas poderia se estender aos chefes dos partidos, visando o engajamento dos parlamentares para a formulação e execução dos planos de governo.

Poderia, poderia, poderia!

Mas infelizmente não vai acontecer. Está mais do que evidente que não existe ambiente para isto. A campanha já foi contaminada pelo vírus dos ataques pessoais entre os candidatos, na tentativa de desmerecer o adversário e solapar sua imagem junto aos eleitores.

Seria ingenuidade pensar que nesta última semana a campanha vai melhorar. Os ataques vão continuar, as tentativas de desestabilização também. Nada vai ser alterado. As eleições poderiam ser feitas neste domingo, embora cada lado esteja pensando como aproveitar estes dias que ainda faltam para talvez desferir um golpe mais certeiro que produza um efeito mais evidente, fazendo pender a balança para o seu lado.

Portanto, está anunciada mais uma semana de encenação inútil, de promessas infundadas. Esta campanha passará para a história como a mais suja já realizada no Brasil, levantando grandes apreensões sobre as futuras campanhas, se não forem tomadas em tempo sábias providências, a serem transformadas em leis claras e severas, capazes de coibir os abusos.

Dado que as coisas assim estão, vamos nos alertando para o exercício do discernimento. E´ importante conferir como é composta a pauta dos noticiários televisivos, a capa das revistas, a primeira página dos grandes jornais. Numa aparente e elegante neutralidade, vão desfilando em sequência matérias trazidas à tona e enfileiradas com o único escopo de desfazer a imagem do adversário. Sim, do adversário, porque os grandes meios de comunicação sabem muito bem escolher quem é o seu candidato, e quem é o seu adversário. E não vão poupar nenhum cartucho que julgarem capaz de causar estrago efetivo.

Esta é a realidade política neste país chamado Brasil.

O que fazer? Valorizar ainda mais o voto! E´ com ele que podemos frustrar quem faz da política um meio de conseguir o poder, para colocá-lo a serviço dos seus interesses pessoais e corporativos, instrumentalizando a fé e as instituições eclesiais.

O voto é nossa arma verdadeira. Ele é a pequena pedra que Davi colocou em sua funda, no combate contra o gigante Golias. A verdadeira vitória eleitoral, desta vez, não é em primeiro lugar “ ganhar a eleição”, mas derrotar as trapaças eleitorais. Isto a gente faz demonstrando que votamos, não levados pelas falsas acusações que se propagaram em abundância nesta campanha, mas pela vontade livre de cada eleitor, definida a partir da proposta de governo que cada eleitor achar mais conveniente para todo o povo brasileiro e para o futuro do nosso país.



Bispo de Jales- SP e Presidente Nacional da Caritas Brasileira.

Nenhum comentário: